26 de Janeiro de 2017

Quais as opções para o idoso que não pode viajar com a família?

Imagem da Notícia

Quem tem pais idosos dificilmente viaja despreocupado, mesmo que eles sejam totalmente independentes. Nas férias, não perca a oportunidade de tirar uns dias para passear e descansar. Com um pouco de planejamento, é possível viajar tranquilo tendo a segurança de que os idosos ficarão bem. A terapeuta ocupacional Mariela Besse e a psicóloga Cleofa Toniolo Zenatti, diretora de Atenção ao Cliente do Residencial Toniolo, dão dicas para que as famílias possam viajar tranquilas. Rede de suporte Mesmo o idoso independente tem o risco de sofrer uma queda – e, só de imaginar isso, qualquer filho pensa duas vezes antes de tirar uns dias de folga. Por isso, é preciso tomar algumas providências para que o idoso tenha um apoio, ainda que mínimo. “Um idoso ativo e independente que não quer viajar não precisa de uma instituição de longa permanência, mas de uma rede de suporte”, diz Mariela.

Um familiar que viva próximo ao idoso, um amigo ou mesmo um vizinho pode ser acionado para passar algumas vezes na semana para visitar ou telefonar para checar se tudo está bem. Se possível, deixe uma cópia da chave da residência com essa pessoa. “Se o idoso mora em prédio, o filho pode pedir ao zelador ou alguém do prédio para ficar de olho”, diz Cleofa. É importante deixar com essa pessoa o número de telefone do filho ou de alguém que possa ajudar em caso de emergência. No caso de zelador ou porteiro do prédio, vale orientar que caso o idoso não seja visto pelo prédio por mais de um dia, é interessante checar se está tudo bem.

Isso porque é comum que o idoso que sofre uma queda não consiga se levantar do chão para avisar ninguém. Outra opção são os serviços de teleassistência para idosos. O idoso aciona um botão em caso de emergência e uma central é avisada de que aquele cliente tem algum tipo de problema. Dependendo do serviço, ele avisa o familiar, telefona para o idoso ou envia alguém para checar a necessidade. Idoso com demênciaA situação ideal para idosos com demência moderada a avançada é permanecer em casa. “Conheço casos de famílias que viajaram com o idoso e tiveram de voltar no meio da noite, porque ele não quis ficar de maneira alguma”, conta a terapeuta ocupacional.

Isso acontece porque afastar-se de casa para um local totalmente estranho pode piorar o estado de confusão. Se for possível ficar em casa, é imprescindível que ele seja assistido por uma empresa de home care. “Nesse caso, não dá para confiar em profissionais autônomos, porque se eles têm algum problema, o idoso corre o risco de ficar sozinho e o familiar estará longe, sem poder ajudar”, diz Cleofa. Por isso, a orientação é de que uma empresa seja acionada, pois ela coordenará os profissionais e não permitirá que haja “furo” na escala. “Muitos filhos se culpam em deixar o idoso com demência, mas é melhor que ele fique em casa ou em uma ILPI do que ir para um local desconhecido onde não se sentirá seguro”, diz Mariela.

Se não for possível ficar em casa, as ILPIs são uma boa opção e elas costumam aceitar pacientes temporários se tiverem vagas. Se for esse o caso, o melhor é que o idoso se acostume aos poucos com o local escolhido. A família deve levá-lo para a ILPI para passar alguns dias enquanto ainda estão na cidade. “Antes de viajar, os familiares precisam ter certeza de que o idoso está bem adaptado”, diz Cleofa.

Não pode faltar O telefone do médico que acompanha o idoso ou o hospital para o qual ele deve ser levado em caso de emergência, a carteirinha do plano de saúde, se houver, e um telefone de ambulância para ser acionada caso haja necessidade; Deixar à vista a lista de medicamentos e horários que eles devem ser administrados; Medicação – antes de viajar, confira se há medicamento suficiente para o tempo que você ficará fora. Se for preciso, explique sobre a viagem ao médico e peça uma receita a mais; Alimentos – não só o armário deve estar cheio, mas há que se pensar também em quem fará as refeições caso o idoso não consiga cozinhar. Um serviço de delivery ou alguém que entregue as marmitas diariamente pode ser a solução.

Assine nossa newsletter

Que tal sempre ficar por dentro quando novas notícias forem publicadas?

ATENDIMENTO AO CLIENTE

0800 770 66 00